O Porquê e o Como na Construção de uma Cultura Sólida de Pequenos Grupos

“Círculos são melhores que fileiras.”

Nossa igreja tem sido uma das centenas que adotaram essa frase na última década, como um grito para uma comunidade autêntica. Para aqueles na equipe que lideram a próxima geração, significa que priorizaremos os relacionamentos quando quisermos organizar e estruturar nosso ministério. De nossos bebês até nossos alunos do ensino médio, desejamos que todas as crianças de nossos ministérios sejam conhecidas pelo nome e tenham um lugar no qual fazem parte. E acreditamos que a melhor maneira de conseguir isso é liderar de maneira pequena.

Por que desenvolver uma cultura de Liderança Pequena? Porque mesmo o plano de Deus não tendo mudado, as relações com a igreja mudaram.

A liderança pequena é um belo reflexo do Evangelho. Ao criar uma Cultura de Pequena Liderança, Reggie Joiner nos lembra que a narrativa da Bíblia está ancorada no fato de que Deus se tornou um homem para que pudesse provar o quanto Ele nos ama. Ele apareceu como pessoa para demonstrar o quanto nós somos importantes. Para nos provar que somos conhecidos por Ele e nos convencer de que pertencemos à Sua família.

Este sempre foi o plano de Deus e isso não mudará. O que tem que mudar são as estratégias de discipulado que levam a igreja a falhar.

Toda pessoa viva tem uma capacidade limitada. Todos os dias, há muito que podemos pensar, muito que podemos fazer, muitos relacionamentos nos quais podemos investir. À medida que as igrejas crescem e as necessidades das famílias se aprofundam, nós, como pastores, percebemos que restringimos a influência de relações. Então, e se convidássemos líderes de pequenos grupos para pastorearem conosco, enquanto estabelecemos, orientamos, desenvolvemos e desafiamos a fé da próxima geração juntos? A cada semana, os líderes de pequenos grupos têm a mesma oportunidade de aparecer, assim como Jesus fez na encarnação. Isso significa estar presente para um grupo de crianças ou estudantes que precisam ser avisados, talvez pela primeira vez, de que eles são importantes.

“Os recursos mais valiosos para ajudar as pessoas a verem Deus são as pessoas em sua igreja que conhecem a Deus.” –
Reggie Joiner

Se acreditamos na importância de priorizar o relacionamento, temos que estar dispostos a nos comportar de uma maneira que proporcione aos relacionamentos o que eles precisam para prosperar: uma estrutura sólida, líderes sólidos e uma experiência sólida.

Você pode começar reunindo sua equipe do ministério e fazendo as seguintes perguntas:

Estrutura Sólida

  • Existe um líder e uma equipe designados para supervisionar a estratégia de pequenos grupos?
  • Quais ajustes podem ser feitos nos programas existentes do ministério, de modo que eles sejam etapas para colocar as crianças em grupos?
  • Seus calendários sazonais e semanais complementam ou criam um conflito entre o que acontece na cultura da igreja e em casa?

Líderes Sólidos

  • Qual é a porcentagem de seus líderes que mudaram seus turnos para assumir uma responsabilidade semanal?
  • Com que frequência seus líderes são agradecidos, encorajados e treinados?
  • Você tem uma estratégia clara na forma como você convida e ensina novos líderes em seu ministério?

Experiência Sólida

  • Seus recursos e currículo apoiam os líderes com o que eles precisam a cada semana?
  • Como o seu espaço físico é projetado e administrado para ajudar pequenos grupos a vencer?
  • Todos entendem como avaliar relacionamentos de pequenos grupos e a experiência do grupo?

Peter Drucker diz: “A cultura come estratégia como café da manhã”.

Em outras palavras, os valores da nossa equipe podem estar em nossas cabeças e em nossos corações, mas…

se eles não forem transferidos para nossas mãos e se tornarem hábitos…

se nossos comportamentos não corresponderem às nossas crenças…

se não estivermos abertos à ideia de agir de acordo com um novo modo de pensar…

ENTÃO nossa estratégia não leva a nada.

A chave para criar uma Cultura de Pequenos Grupos não é que você só acredite no impacto que líderes de pequenos grupos podem ter na vida de uma criança, mas que se comporte como você. Lembre-se de que, embora o nosso mundo esteja sempre mudando, o plano de Deus continua o mesmo… e isso é uma boa notícia! Como líderes do ministério, sejamos corajosos em introduzir a mensagem de uma comunidade autêntica em nossas estruturas, lideranças e experiências, até que cada criança seja conhecida e tenha um lugar no qual faz parte.

Este post foi originalmente escrito em inglês por Daniel De Jesus | 14  de março de 2018 e traduzido e adaptado para o português por Equipe Pense Laranja.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *