Alinhando sua equipe a uma estratégia integrada

“É a sua ESTRATÉGIA, não a sua MISSÃO que acabará determinando o seu sucesso.” –    Reggie Joiner

Sua igreja tem um líder estratégico. Essa pessoa está lá todo fim de semana, certificando-se de que as coisas correm como planejado.

Não é o pastor sênior.

Não é o pastor das crianças

Não é o pastor de jovens

Não é nem o líder de adoração

A pessoa estratégica na sua igreja é aquela no estacionamento que coloca os cones de trânsito. Essa pessoa entende como colocar estrategicamente esses pequenos cones laranjas  pode, em última análise, direcionar duas toneladas de aço na direção que devem seguir.

Como líderes, gastamos muito tempo na visão, missão e valores. Isso é uma coisa muito importante. Mas ter uma missão sólida não promete sucesso. Eu vi muitos líderes desenvolverem uma missão incrível, mas falharem no caminho. Eles falham porque não criaram uma estratégia que mostra como chegar onde querem estar.

Às vezes, com o ritmo da vida e do ministério, pode ser fácil perder de vista o objetivo final e focar apenas no “agora”. Podemos nos perder nos detalhes diários para onde eventualmente olhamos ao redor e perceber que não sabemos mais onde nos estamos indo.

No meu tempo como consultor e líder da igreja, uma das coisas mais comuns que tenho ajudado as igrejas a trabalhar é através da programação. Muitas igrejas na América hoje têm tantos programas que seria difícil entender realmente qual é a sua missão, olhando para o calendário de eventos.

Pense na sua igreja por um minuto. Posso dizer qual é a sua missão olhando para o calendário de eventos?

Se sua resposta for “não”, então você está no lugar certo. É hora de desenvolver uma estratégia integrada para avançar a  alinhar sua equipe, e manter o objetivo em mente. Aqui estão alguns pensamentos para ajudá-lo a criar uma estratégia integrada que garanta o seu sucesso na busca da missão.

1. Mantenha o fim em mente. Se vou fazer uma viagem, primeiro preciso saber para onde estou indo. Se eu não souber para onde estou indo, eu estaria gastando muito mais dinheiro do que queria e definitivamente perdendo a sanidade porque meus filhos no banco de trás querem saber quando chegaremos lá. Seria insano para alguém sair de férias e não saber para onde estão indo. Isso é verdade para nós como líderes. Qual é o seu objetivo final? Qual experiência definitiva você quer que as pessoas da sua igreja tenham? Qual é o jogo final para o envolvimento delas? Depois de ter determinado isso, NUNCA deixe que ele fique em segundo plano em suas conversas com sua equipe.

2. Pense em etapas, não em programas. Programas são programas. Quando você pensa neles como apenas programas, eles se tornam auto suficientes. Quando um programa acaba, acabou. Então o próximo programa começa e assim por diante. Quando você pensa em etapas, cada passo deve estar aproximando você do fim que sua equipe decidiu. Os passos mostram um caminho à frente e mantêm um registro de onde você veio.

3. Alinhe a equipe. Sua equipe DEVE estar na mesma página quando se trata do objetivo final e da estratégia para chegar lá. Se eles não são, você definitivamente encontrará problemas ao tentar seguir em frente. Às vezes, isso é onde decisões difíceis de liderança devem ser tomadas. Se você tiver membros da equipe que não se alinharão com a meta e a estratégia finais, talvez seja hora de aliviá-los de sua posição. Isso não importa se eles são funcionários ou voluntários. Nenhuma pessoa deve estar acima da unidade da equipe.

4. Entenda que cada parte da estratégia é tão importante quanto as outras. Adivinha? O ministério das crianças é tão importante quanto a mensagem do pastor sênior aos adultos no domingo de manhã. O ministério de jovens é tão importante quanto o programa do ministério infantil. O estacionamento esvaziando e reenchendo entre os cultos é tão importante quanto o culto. Quando sua equipe começa a pensar assim, evitando guerras territoriais, sua estratégia pode realmente fugir. Mesmo que as descrições de trabalho possam ser diferentes, é importante que a equipe entenda que nenhum passo da jornada é menos importante que o outro. Se um falhar, todos falharão.

5. Nunca pare de falar sobre a estratégia. Seja um recorde quebrado! Arranje tempo em suas reuniões regulares de equipe para avaliar seu objetivo final e rever as etapas. Eles estão trabalhando? Você precisa reavaliar e inovar? Há coisas acontecendo ao redor da igreja que estão tornando as águas turvas quando se trata de manter o objetivo final em primeiro plano?

Sempre mantenha o objetivo em mente, alinhe sua equipe e crie etapas que mostrem um caminho claro para o sucesso. É isso que cria uma estratégia integrada!

 

Publicado originalmente em inglês em http://orangeblogs.org/orangeleaders/2019/06/24/do-something-you-dont-have-to-do/

Voluntários, vocês são o tempero secreto para qualquer receita!

Escrito originalmente em inglês por Misty Phillips

Querido voluntário, Obrigada por estar na linha de frente do ministério a cada semana. Você desempenha um papel único moldando o futuro das crianças. Não existem cartões de agradecimento suficientes para dizer o quanto nós somos agradecidos pela sua vida. Semana após semana, você planta as verdades de Deus através de seu relacionamento com as crianças  e assim elas aprendem a colocar em prática os princípios Bíblicos.

Obrigada por gastar tempo se aculturando. Este seu trabalho voluntário, não é qualquer trabalho. Algumas coisas não são nada  fáceis, mas você sabe como superar cada uma elas.

Nós sabemos que em cada fase da vida de uma criança existe uma cultura diferente para lidarmos. Olhe para você… gastando tempo para aprender sobre o que acontece em cada idade e fase da vida da criança que  você serve.

Você se torna relacional se envolvendo com o que acontece no mundo das crianças e você entende que diversão é algo importante.

Quando você está ciente de cada fase em que as crianças que você serve se encontram, você apoia a visão da sua igreja. Quando você está ciente da fase das crianças, você cria um relacionamento com elas e elas começam a confiar em você. Você então, se encontra com elas, exatamente ali onde elas estão e assim você fala diretamente para a vida delas e as ajuda a colocarem em prática o que aprenderam e você tem a possibilidade de apresentá-las ao amor de Deus através da conversa e comunicação. Você as encaminha para uma fé de segunda a sábado, que elas podem se apoderar e vivenciar no dia a dia.

E voluntários, vocês nos surpreendem pela maneira com a qual vocês se aproximam dos pais e os trazem para perto e os conectam com o ministério. Você é uma outra voz na vida de uma criança e assim faz uma parceria com os pais. Você entra em contato  com as crianças durante a semana e pergunta como elas estão…

Por que? Porque você lembra o que é ser uma criança. Coisas, como fazer lição de casa e brincar no parquinho… Voluntário, você é o molho maravilhoso e especial que impacta as crianças  da sua igreja.

Muito obrigada!

 

O Porquê e o Como na Construção de uma Cultura Sólida de Pequenos Grupos

“Círculos são melhores que fileiras.”

Nossa igreja tem sido uma das centenas que adotaram essa frase na última década, como um grito para uma comunidade autêntica. Para aqueles na equipe que lideram a próxima geração, significa que priorizaremos os relacionamentos quando quisermos organizar e estruturar nosso ministério. De nossos bebês até nossos alunos do ensino médio, desejamos que todas as crianças de nossos ministérios sejam conhecidas pelo nome e tenham um lugar no qual fazem parte. E acreditamos que a melhor maneira de conseguir isso é liderar de maneira pequena.

Por que desenvolver uma cultura de Liderança Pequena? Porque mesmo o plano de Deus não tendo mudado, as relações com a igreja mudaram.

A liderança pequena é um belo reflexo do Evangelho. Ao criar uma Cultura de Pequena Liderança, Reggie Joiner nos lembra que a narrativa da Bíblia está ancorada no fato de que Deus se tornou um homem para que pudesse provar o quanto Ele nos ama. Ele apareceu como pessoa para demonstrar o quanto nós somos importantes. Para nos provar que somos conhecidos por Ele e nos convencer de que pertencemos à Sua família.

Este sempre foi o plano de Deus e isso não mudará. O que tem que mudar são as estratégias de discipulado que levam a igreja a falhar.

Toda pessoa viva tem uma capacidade limitada. Todos os dias, há muito que podemos pensar, muito que podemos fazer, muitos relacionamentos nos quais podemos investir. À medida que as igrejas crescem e as necessidades das famílias se aprofundam, nós, como pastores, percebemos que restringimos a influência de relações. Então, e se convidássemos líderes de pequenos grupos para pastorearem conosco, enquanto estabelecemos, orientamos, desenvolvemos e desafiamos a fé da próxima geração juntos? A cada semana, os líderes de pequenos grupos têm a mesma oportunidade de aparecer, assim como Jesus fez na encarnação. Isso significa estar presente para um grupo de crianças ou estudantes que precisam ser avisados, talvez pela primeira vez, de que eles são importantes.

“Os recursos mais valiosos para ajudar as pessoas a verem Deus são as pessoas em sua igreja que conhecem a Deus.” –
Reggie Joiner

Se acreditamos na importância de priorizar o relacionamento, temos que estar dispostos a nos comportar de uma maneira que proporcione aos relacionamentos o que eles precisam para prosperar: uma estrutura sólida, líderes sólidos e uma experiência sólida.

Você pode começar reunindo sua equipe do ministério e fazendo as seguintes perguntas:

Estrutura Sólida

  • Existe um líder e uma equipe designados para supervisionar a estratégia de pequenos grupos?
  • Quais ajustes podem ser feitos nos programas existentes do ministério, de modo que eles sejam etapas para colocar as crianças em grupos?
  • Seus calendários sazonais e semanais complementam ou criam um conflito entre o que acontece na cultura da igreja e em casa?

Líderes Sólidos

  • Qual é a porcentagem de seus líderes que mudaram seus turnos para assumir uma responsabilidade semanal?
  • Com que frequência seus líderes são agradecidos, encorajados e treinados?
  • Você tem uma estratégia clara na forma como você convida e ensina novos líderes em seu ministério?

Experiência Sólida

  • Seus recursos e currículo apoiam os líderes com o que eles precisam a cada semana?
  • Como o seu espaço físico é projetado e administrado para ajudar pequenos grupos a vencer?
  • Todos entendem como avaliar relacionamentos de pequenos grupos e a experiência do grupo?

Peter Drucker diz: “A cultura come estratégia como café da manhã”.

Em outras palavras, os valores da nossa equipe podem estar em nossas cabeças e em nossos corações, mas…

se eles não forem transferidos para nossas mãos e se tornarem hábitos…

se nossos comportamentos não corresponderem às nossas crenças…

se não estivermos abertos à ideia de agir de acordo com um novo modo de pensar…

ENTÃO nossa estratégia não leva a nada.

A chave para criar uma Cultura de Pequenos Grupos não é que você só acredite no impacto que líderes de pequenos grupos podem ter na vida de uma criança, mas que se comporte como você. Lembre-se de que, embora o nosso mundo esteja sempre mudando, o plano de Deus continua o mesmo… e isso é uma boa notícia! Como líderes do ministério, sejamos corajosos em introduzir a mensagem de uma comunidade autêntica em nossas estruturas, lideranças e experiências, até que cada criança seja conhecida e tenha um lugar no qual faz parte.

Este post foi originalmente escrito em inglês por Daniel De Jesus | 14  de março de 2018 e traduzido e adaptado para o português por Equipe Pense Laranja.

Construindo Confiança Com Os Pais Como Um Líder de Pequeno Grupo

Inerentemente, ser um líder de pequeno grupo leva em si muita responsabilidade. Você está sendo confiado a poucos pelo menos uma vez por semana e mais tarde alguns mais, especialmente quando eles vão crescendo. Isso não é algo que alguém deveria fazer de qualquer jeito. Existe uma quantidade incrível de confiança e compromisso que precisam entrar nesses relacionamentos. E por mais influência que você tenha, em última análise, você não é os pais deles. Você não tem a palavra final para essas jovens vidas. Então, como você poderia cuidar e nutrir a relação com os pais, para que você possa continuar a falar à vida de seu pequeno grupo?

Comunicação
É importante que seu pequeno grupo entenda que podem confiar completamente em você. Mas também é importante que os pais deles saibam isso. Separe um tempo para comunicar suas expectativas e suas intenções com eles. Certifique-se de que eles sabem que você sempre irá informá-los se houver algum tipo de situação grave e fatal, mas eles precisam confiar em sua discrição e entender que você está tentando construir confiança também. Eles precisam ter a certeza de que você não irá privá-los de nada desnecessariamente. Também é uma boa idéia informá-los sobre os seus planos de passeios, encontros, festas de aniversário, etc., independentemente da idade do seu pequeno grupo! Os pais de crianças de Ensino Médio apreciam a comunicação tanto quanto os pais dos alunos do Ensino Fundamental I e II. Certifique-se de que você não está guardando segredos quando se trata de como você lidera seu pequeno grupo.

 

Conexão
Quando você se casar, você deve aceitar a família do seu parceiro como a sua, mesmo que essas relações nem sempre sejam fáceis. O mesmo vale para o seu pequeno grupo. Você está ligado com os pais das crianças, queira você ou não! Não ignore isso. Em vez disso, faça um esforço e aproveite o tempo para se conectar com eles. Considere reunir-se com os pais de vez em quando, ou, pelo menos, regularmente mandar mensagens através de e-mail ou texto. Deixe-os saber que você ainda está por perto, e lembre-os de que você está lá pelos filhos deles. Tente planejar uma excursão de pequeno grupo com as família e onde todos são convidados. Dê aos pais  oportunidades de saberem e participarem dos assuntos nos quais você está trabalhando com o seu pequeno grupo. Dentro do possível, faça tudo o que puder para incluí-los e ajudá-los a permanecerem conectados ao grupo, permitindo que essa confiança cresça entre os pais e você.

 

Cuidado
Você pode se comunicar e tentar se conectar durante todo o dia, mas se você não está fazendo isso com cuidado genuíno, todo esforço será perdido. A comunicação deve ser feita com bom senso, e ainda sim não exageradamente. Às vezes, precisamos lembrar que a bondade e o cuidado tomam um longo caminho para que se possa construir uma boa conexão com as pessoas. Mostrar que se preocupa com os pais dos seu pequeno grupo é uma das coisas mais simples e profundas que você pode fazer por elas. Recordar nomes, aniversários, marcos familiares e outras informações também contribuem para mostrar o quanto você se importa. Essas pessoas são mais do que apenas um nome da sua lista. Eles têm que lidar com os filhos deles diariamente, tomando decisões difíceis e passar por situaçōes que você nem pode imaginar. Mostre empatia. Aprenda a amar e respeitar papel deles.

Em última análise, você ocupa grande parte do poder aqui. Com certeza, você irá lidar com alguns pais difíceis. Mas você só pode controlar a si mesmo e a sua resposta à situação em questão. Não estrague as coisas pela forma como você se comunica, conecte-se ou se preocupe com os pais de seu pequeno grupo . Arregace as mangas e faça tudo o que puder para gerar confiança.

 

Este post foi originalmente escripo por por David Clark | 19 de outubro de 2017 e traduzido e adaptado para o português por Mateus Amorim.