Por que a igreja pode ser seriamente engraçada

É um fato curioso que as pessoas nunca são tão triviais como quando se levam a sério.” Oscar Wilde

Na Conferência do Orange, nos Estados Unidos, é destinada uma sessão inteira para um único propósito: rir.

O que seria uma noite seriamente divertida? Chamamos esse momento especial de “noite séria”, porque trabalhamos por toda a sessão a questão de olharmos para nós mesmos como cristãos e dizermos: “Sério? Quero dizer, sério, nós fazemos isso? Nós dizemos isso? Nós agimos assim? Nós não estamos fazendo isso?”

Sim! É sobre todos nós, na igreja… Escrito por nós da igreja.

Todavia, escrever esta sessão bem-humorada (junto com os tios mais engraçados) sempre, sempre… Me deixa apavorada.

“Por quê?”, você pode perguntar.

Bem, aqui está a minha resposta. Mas, por favor, não fique bravo. Certo? Você promete? Beleza! Estou aceitando sua palavra de que você não ficará bravo. Então, vamos lá!

Os cristãos ficam bravos. Muito! Especialmente quando alguém faz brincadeira sobre eles (somos um grupo muito sensível, não somos?). “Ofendido” poderia ser adicionado, mesmo que de maneira tardia, ao Fruto do Espírito, e eu estou brincando, é claro. Por favor, não se ofenda!

Não se ofenda

Então, devido à sensibilidade dos cristãos, quando dedicamos uma noite inteira brincando de algumas das declarações, ações e práticas mais bizarras, com os cristãos, fico um pouco nervosa.

Porque, meus irmãos e minhas irmãs, cristãos são assim! Tão… Ssérios… Sobre tudo!

Possivelmente, alguns de vocês, ao lerem isso, dirão: “Absolutamente, estamos falando sério. Recebemos uma grande comissão. O trabalho que nos pediram para fazer nesta terra é da maior importância. De fato, de uma importância eterna!

E eu concordo com você. Ouça-me dizer isso, eu concordo totalmente. É por isso que precisamos aliviar seriamente. Precisamos rir mais.

Creio, com todo o meu coração, que para mostrar ao mundo um Salvador que ama as pessoas, precisamos estar dispostos a apontar a razão pela qual também precisamos Dele.

Isso requer vulnerabilidade.

Isso requer transparência.

Isso requer honestidade.

Isso nos leva a se levar menos a sério, para que possamos apontar com mais eficácia para Aquele com o qual estamos seriamente atados.

 

Três razões pelas quais os cristãos devem usar a comédia

Portanto, para aqueles que pensam que humor, sátira e sarcasmo são ferramentas perigosas para usarmos como cristãos, compilei uma lista de três razões pelas quais devemos abraçar nosso próprio ridículo para promover a causa de Cristo. (Uau, agora estou falando como um pregador…)

 

  1. Comédia é confissão

Nós realmente precisamos fazer um trabalho melhor, confessando uns aos outros a respeito das nossas próprias más escolhas e nossos erros. E também acredito que a igreja precisa confessar o mal que fez àqueles que estão fora da igreja.

Eu não sei se você sabe, porém, aqueles que estão fora da igreja já conhecem os nossos erros! E quando não os reconhecemos, realmente estamos construindo uma uma barreira entre nós.

 

  1. Comédia é empatia

Se queremos que as pessoas cheguem até nós e se abram para tratar suas mágoas, suas dores e seus “fracassos”, com a confiança de que nós, como igreja, estaremos lá para eles de braços abertos, a comédia é uma maneira surpreendente de mostrarmos o quanto nos importamos. Comédia e humor direcionam um olhar gentil para um coração que contém mágoas, como acontece com todos nós.

Pense, o motivo pelo qual você ri de uma comédia, do humor de uma palhaçada ou daquelas situações embaraçosas representadas nos filmes, é por você sentir o que a outra pessoa está passando, contudo, com alívio e, ao mesmo tempo, felicidade por não ser a pessoa que está passando por aquilo.

Quando rimos juntos da dor de outra pessoa, é um indicador de que estamos todos conscientes de nossa própria dor. De alguma forma, estamos rindo da nossa própria fragilidade como seres humanos.

Pode parecer contra-intuitivo, mas é uma das melhores maneiras de darmos as boas-vindas a outras pessoas, de nos conectarmos com outras pessoas e de criarmos um ponto de partida comum para todos, independentemente de onde eles estejam na vida.

 

  1. As pessoas se lembram de comédia

Não conheço você, mas lembro-me mais de coisas engraçadas do que de coisas profundas e sérias. O problema é que pensamos que “engraçado” e “profundo e sério” são incompatíveis.

Sou acusado disso o tempo todo quando se trata dos produtos para ensinar as crianças com os quais trabalho. As pessoas me dizem que é muito bobo… Ou que não aprofundamos o suficiente.

Mas, eu simplesmente acho que eles estão errados. Desculpe-me, eu acho.

Além disso, como você prefere que crianças (e adultos) se lembrem da mensagem do Evangelho, com lembranças de estarem rindo e alegres, ou lembranças de estarem silenciosos, sérios e sombrios? Hum… Eu sei qual eu escolheria.

Esteja disposto a rir. Assim, se você vier para a Orange Conference deste ano, faça-me um favor! Apareça com o coração aberto e com vontade de rir de si mesmo. Esteja disposto a admitir as coisas que consideramos santas e a rir delas. E, acima de tudo, ria de si mesmo. Ria de nós mesmos!

Quando nos levamos a sério demais, tiramos o foco Dele. Ah, e por favor, não me responda se estiver ofendido. Obrigado!.

 

Escrito por Jon Williams
Traduzido por Carina Cortat

 

Maximize seu tempo com essas dicas simples

por Kristi Porter

Dependendo da sua personalidade, a estrutura da palavra pode enchê-lo de euforia ou pavor. Para este último, basta usar a abordagem Piratas do Caribe e considerá-la uma “diretriz”.

Nós todos sabemos a pressão de ser puxado em um milhão de direções em uma base diária. Provavelmente não é incomum você chegar ao final de um dia de trabalho e se perguntar o que realmente conseguiu. Infelizmente, muitos dos nossos dias passam assim, enquanto a carga de trabalho só parece aumentar.

Mas há uma abordagem que você pode adotar para conter essa falta de produtividade. Com alguns ajustes, você se sentirá melhor ao chegar ao final da semana de trabalho.

Estruture sua semana

Dependendo de quanto tempo você começa a pensar na semana seguinte – na sexta-feira anterior, no domingo à noite anterior, ou até naquela manhã de segunda-feira – você provavelmente tem uma boa ideia dos principais objetivos que precisa cumprir durante esse período de cinco dias. Se não, essa seria a primeira coisa a identificar. Realisticamente, defina esse número entre cinco e dez, mas mais perto de cinco se os objetivos forem grandes e exigirem mais tempo.

Em seguida, dê sua semana um tema. Quem não ama um bom tema? O ministério é freqüentemente de natureza muito sazonal, e isso deve se prestar bem a essa tática. Talvez sua “semana de logística de viagem missionária” ou “planejamento de retiro de outono” ou “preparação de serviço de Páscoa”.

Seja qual for a semana para você, identifique um tópico que vincule suas metas. Isso lhe dará uma nova maneira de ver sua semana como um todo, apesar das outras tarefas, reuniões e desvios que podem surgir. Mantenha esse tema em mente em todos os momentos e cancele ou adie tudo o que não couber no seu tema, se possível.

Estruture seu dia

Depois de ter um tema para a sua semana, classifique os seus objetivos por prioridade e comece a atacar aqueles que tiveram a classificação mais elevada na segunda ou terça-feira. Apesar de seus melhores esforços, você provavelmente estará bem se conseguir realizar três grandes tarefas em um dia. Mas agora que você tem suas metas classificadas, é possível transportar facilmente para o próximo dia que não seja verificada na sua lista.

Sua próxima tarefa seria construir o seu dia em torno de seus ritmos naturais e fluxo típico de semana de trabalho. Por exemplo, você provavelmente já ouviu isso antes, mas se for uma pessoa matutina, essas horas são quando você será o mais produtivo. Isso significa que as distrações são geralmente mínimas porque as pessoas estão fazendo suas próprias coisas, e você pode ser super produtivo durante esse período.

Outra coisa a considerar é como sua equipe ou escritório opera. Por exemplo, você tem reuniões de equipe ou outros eventos recorrentes em determinados dias da semana? Nesse caso, esse é o melhor dia para agendar o máximo de reuniões possível. Caso contrário, sua concentração diminuirá conforme você aparece constantemente entre as reuniões e o horário no computador.

Para aqueles de vocês que encontraram o seu ritmo com as sugestões acima, e querem ir mais além, considere dar aos seus dias um tema como Motivação na Segunda-feira, onde você enfrenta uma enorme meta para estabelecer um precedente para a semana. Ou nas terças-feiras , quando você se concentra em escrever, responder e agendar e-mails ou cuidar das necessidades de tecnologia para o serviço de domingo. Ou  às sextas-feiras, em que você conclui o maior número possível de projetos para terminar a semana com uma nota alta.

Outra ideia seria implementar o bloqueio de tempo. O bloqueio de tempo, é quando você agrupa tarefas semelhantes para maximizar a mesma linha de pensamento ou ações repetitivas. Isso pode incluir coisas como gerenciar e-mail por uma hora no início e no final de cada dia, ou reservar tardes para reuniões, ou dar-se duas horas na quinta-feira para o desenvolvimento pessoal. A chave é criar intervalos de tempo em massa com um foco singular.

E, claro, sabemos que haverá bolas curtas a cada semana que você não pode antecipar. Isso acontece no ministério e na vida. Mas praticar essas formas de intencionalidade com suas semanas e dias fará com que você se sinta mais eficiente, determinado e atencioso com seu tempo.

Este post foi originalmente escrito em inglês em http://orangeblogs.org/orangeleaders/2019/06/03/maximize-your-time-with-these-simple-tips

Como desenvolver voluntários a se tornarem líderes

 

Escrito originalmente em inglês  por Joe Macalpine.

“Um líder admirável, não responde a um  chamado com um holofote da autopromoção, mas aos sussurros silenciosos da necessidade.” – Mollie Marti

Lembro-me de quando eu pensei que poderia fazer tudo sozinha. Claro, havia muito trabalho liderando o ministério de minhas primeiras crianças. Tínhamos cerca de 75 crianças e 20 voluntários. Eu estava ocupada, mas era administrável. Quando crescemos para 100 crianças e ainda tínhamos apenas 20 voluntários, eu me senti bem sufocada. Foi então que aprendi que, se quisesse liderar um ministério bem-sucedido e crescente,  para crianças e suas famílias, tinha de ter uma equipe voluntários, forte, equipada e incentivada a liderar.

Deus quer que sejamos líderes admiráveis e, como a citação diz acima, a nobreza da verdadeira liderança não inclui autopromoção. Isso significa basicamente que, como líderes da igreja, devemos constantemente oferecer a coisa mais básica que possuímos: nossa plataforma de liderança. Quando um líder incentiva e equipa sua equipe de voluntários para liderar em seu lugar, coisas surpreendentes podem acontecer. Então….Como você inspira e dirige sua equipe para que eles liderem com maestria e paixão? Bom….estou feliz que você perguntou!

  • Lidere com visão. A maior coisa que você pode fazer para formar líderes em sua equipe é dar a eles a visão. As escrituras dizem que sem visão, o povo perece. . . isso significa que, onde houver visão, o povo florescerá. 
  • Tenha valores que a equipe se lembre. Se você tem um milhão de valores e eles são longos e prolixos, posso garantir que sua equipe não os usará para crescer em seu papel de voluntário. 

Se seus voluntários não estão usando seus valores para crescer, eles não estão se tornando líderes. Torne seus valores simples e claros.  Os valores no ministério de suas criancas são Diversão, Aprendizado, Relacionamentos e Inovação.

  • Dê a eles as  boas oportunidades. Se você não der a seus voluntários  boas oportunidades, eles nunca crescerão como líderes. Dê a eles o microfone, deixe-os liderar um grande evento, deixe-os participar de discussões de planejamento.  Quando os voluntários obtêm boas oportunidades para liderar, eles lideram! 
  • Não controle excessivamente a sua equipe. Microgerenciar nunca é bom. Líderes que controlam excessivamente lideram de um local de fraqueza e insegurança. Deixe seus voluntários crescerem. Tudo bem se sua impressão digital não estiver nela.

Quando seus voluntários forem incentivados e equipados para liderar, você terá oportunidades de expandir seu ministério muito mais do que nunca. Vá fundo! Desenvolva esses voluntários!

 

3 Mentiras Que Líderes do Ministério dizem a si mesmos

Po 

Como uma ilustração de sermão, uma vez eu preguei de uma escada. Mas eu não apenas sentei em um dos degraus inferiores. Não, eu preguei por meia hora do degrau mais alto de uma escada de 6 metros. Aquela que diz “Cuidado: isso não é um passo!” Eu pensei que era uma maneira brilhante de envolver o público. Eu não sabia que isso serviria como nada mais do que a pior distração possível.

Ninguém ouviu uma palavra que eu disse porque eles estavam com medo de eu cair. Eu não estava preocupado ou nervoso. Eu tenho um bom equilíbrio e as alturas não costumam me intimidar. Mas quando a mensagem terminou e desci da escada, ouvi suspiros de alívio.

Eu coloquei uma quantidade indevida de estresse na minha audiência. Em suas mentes, eu arrisquei meu bem-estar para fazer um ponto, um que eles não conseguiam nem mesmo começar a compreender por causa de seu alarme de preocupação comigo.

Como líder do ministério, fazemos o mesmo para aqueles que se importam conosco. Temos amigos, familiares e mentores que estão preocupados com o nosso bem-estar. Eles veem o ritmo que corremos, as longas noites e a falta de sono. Estamos comprometidos em cuidar daqueles que lideramos, mas estamos comprometidos em cuidar de nós mesmos?

No mundo do ministério, o esgotamento pode ser nosso maior obstáculo. É a arma final do diabo, seu Megazord (para todos os fãs de Power Ranger). Se ele pode te deixar maltrapilho, ele vai. Se ele pode destruir sua saúde, ele irá. Se ele pode fazer você desprezar o seu trabalho, ele fará.

Se quisermos encontrar uma maneira de combater os esquemas do inimigo, temos que identificar comportamentos não saudáveis e eliminá-los de nossas rotinas diárias. Não conheci muitas pessoas com uma ligação temporária, mas conheço muitas pessoas que gerenciam o ministério delas como se houvesse uma data de expiração. Lembre-se … isso não é uma venda a descoberto! É um compromisso fixo de 30 anos. Algumas coisas precisam mudar se quisermos durar no ministério.

Para começar, vamos reconhecer as mentiras que nos dizemos. Em seguida, tome medidas para contornar o efeito em nossos cronogramas.

1. Esta é apenas uma temporada agitada.

Uma “estação Agitada” ter um começo claro e um final definido. A queda na temperatura dura por três meses, mais ou menos algumas semanas, mas só ocorre uma vez por ano. Isso é uma apenas uma temporada. Ou seja. Se sua movimentada temporada começou no começo do ano e não parou, é hora de avaliar e priorizar. Há um perigo real quando temos apenas duas temporadas: estar no meio de algo grande ou se preparar para a próxima grande coisa.

Passo de ação: Avalie o seu horário e determine o que o está tornando mais ocupado. Coloque uma data final nesses itens.

2. Na próxima semana será melhor.

A realidade é que na próxima semana não será diferente da semana passada sem mudança intencional. Às vezes, olhamos para as circunstâncias atenuantes que enfrentamos nos últimos dias e concluímos que isso nunca acontecerá novamente (o que pode ou não ser verdade). Então, mais uma vez, começamos a planejar uma programação completa sem considerar as esquisitices que, sem dúvida, surgirão na próxima semana também. É um ciclo sem fim.

Passo de ação: Bloqueie o tempo na sua agenda para o inesperado.

3. Todos entendem.

A maioria das pessoas corta sua folga ocasionalmente, mas algo acontece quando os contratempos de agendamento se tornam um padrão. Muito em breve aqueles que você lidera se sentem negligenciados e aqueles com os quais trabalhamos o desconsideram. Todos podem ter ficado bem com a reunião que você perdeu uma vez, mas não assuma que todos ainda estão bem com a forma como sua programação

mal realizada está os afetando.

Passo de ação: Fale com outros líderes voluntários para ajudar a avaliar o projeto que você está construindo.

Essas são mentiras muito reais que dizemos a nós mesmos. Algo tem que mudar se pretendemos que o ministério seja um chamado vitalício. Nenhuma mentira.

Publicado originalmente em inglês em http://orangeblogs.org/orangeleaders/2019/06/24/do-something-you-dont-have-to-do/

Transição para uma estratégia Pense Laranja em um cenário denominacional

Por Frank Bealer

Trabalhar com crianças e famílias em igrejas denominacionais pode criar desafios únicos. Muitas vezes eu ouço frases do tipo “Eu gostava muito de ir a igreja quando era criança” ou outras frases como “Isto é o que faz o programa de crianças da minha denominação, ser único e importante”. Assim como algumas tradições denominacionais são tão ricas e importantes, elas também podem nos impedir de fazer as mudanças necessárias para influenciar a vida dos jovens.

Quando nos deparamos para viver uma transição curricular ou para uma nova estratégia, que seja adotar uma Estratégia do Pense Laranja, o simples de fato de lançar uma nova visão e obter apoio, pode ser uma tarefa assustadora. Aqui estão algumas dicas que, espero, poder ajudar as pessoas em contextos denominacionais a entender o que está em jogo e o que deve mudar se quisermos transformar as tendências atuais.

Comece com as estatísticas

A nostalgia é uma reação comum e poderosa aos métodos denominacionais. Muitos de nossos pais podem ter imaginado criar seus filhos na mesma igreja e no mesmo programa em que cresceram. Mas hoje, não é a mesma igreja ou a mesma cultura em que foram criados, e é importante que encontremos um caminho para mostrar como as coisas mudaram. Podemos fazer isso começando com as estatísticas. Os jovens estão saindo de nossas igrejas aos montes. As estimativas mais modestas apontam que os jovens, variando de 50% a 60% deles, deixam a fé. A denominação em que eu ministro atualmente, estima-se uma perda de 70 a 80 por cento! Portanto, é fundamental que comuniquemos a crise que existe atualmente entre os jovens e a fé. A melhor maneira de fazer isso é mostrar os fatos. Os números, quando apresentados, fornecem um lembrete de que há uma crise acontecendo, e o que temos feito em nossas denominações não tem funcionado para trazer nossos filhos para uma vida de fé.

Faça as estatísticas reais.

Enquanto queremos começar com os números, é importante colocar nomes e faces nesses números também. Podemos aproveitar as famílias em nossas comunidades, compartilhando histórias ou apontando que nenhum avô quer que metade de seus netos se afaste da fé. Algo deve ser feito. Eles são mais do que apenas estatísticas, são nomes, rostos e relações familiares que estão em jogo. É importante para todos. Isso também nos dá uma oportunidade para apontar as várias razões pelas quais os jovens se afastam da igreja. Raramente é por causa de desacordo com lições ou doutrinas. Na maioria das vezes, é um relacionamento (ou a falta dele) que estava no centro de tudo.

Como os estudos indicam que um adolescente com dois ou mais relacionamentos adultos (não pagos, não familiares) saudáveis na igreja tem maior probabilidade de continuar a buscar a fé. Daí, talvez uma estratégia diferente possa ajudar. Talvez o caminho seja encontrar mais líderes e não focar tanto em mais lições.

Visão para um líder.

Se as estatísticas são comunicadas e os rostos foram colocados nos números, então é mais fácil para aqueles que são nostálgicos sobre os métodos denominacionais ver a necessidade de mudança. Lançar essa visão, no entanto, raramente produz melhor resultado em grandes grupos. Na verdade, na maioria das vezes, a abordagem mais eficaz é simplesmente recrutar um líder de cada vez. Quando tomamos nosso tempo recrutando líderes e lançando uma nova visão, modelamos a importância do método relacional que estamos promovendo. Mostramos que eles são valiosos como um líder em potencial, e eles podem mostrar esse valor para outros líderes, para as crianças ou adolescentes que estarão liderando.

Ainda há muitas maneiras de incorporar tradições ou doutrinas denominacionais únicas dentro da estrutura da Estratégia e dos currículos do Pense Laranja. Um pequeno líder de grupo pode encontrar tempo para passar valores únicos antes de uma celebração de batismo. Uma tradição que é importante para a sua comunidade pode ser incluída com um elemento que a torne mais relacional, ou de uma maneira que conecte líderes de pequenos grupos e pais.

No final, a mudança nunca é rápida e fácil. Mas quando comunicamos o que está em jogo com estatísticas e histórias, e quando lançamos a visão de algo melhor para um líder de cada vez, podemos sim, encontrar maneiras de promover uma nova estratégia em prol de nossos filhos, e ainda encaixarmos qualidades que tornam nossas denominações únicas.

Originalmente publicado em inglês em  http://orangeblogs.org/orangeleaders/2019/05/22/transitioning-to-an-orange-strategy-in-a-denominatio.

Faça algo que você não precisa fazer

Por Tim Cress

Aqui está um segredo que todo bom voluntário e líder deve saber: você não faz algo porque tem vontade. Você faz algo para se sentir bem. Se você fizer apenas o que tem que fazer, estará limitado no que faz. São as coisas que você não precisa fazer que trabalharão sua fé.

Talvez seja isso que Jesus quis dizer quando sugeriu isso a um grupo de pessoas reunidas em torno Dele para ouvi-lo ensinar:

“Suponha que alguém force você a percorrer uma milha. Vá duas milhas com eles.

Para nós, isso parece estranho. Mas no contexto da lei romana imposta ao povo judeu há dois mil anos, esse foi um desafio ousado. Os judeus se ressentiam e até odiavam os romanos por causa dos pesados impostos e leis do Império Romano. Uma dessas leis exigia que qualquer pessoa de doze anos ou mais levasse o equipamento de um soldado por uma milha inteira, se fosse solicitado. Foi à luz dessa lei que Jesus ensinou o princípio de ir mais além.

Imagine um adolescente na antiga Jerusalém, passando por sua rotina diária. Imagine-o ao virar a esquina e perceba um soldado romano prestes a desmontar de seu cavalo. O menino congela, tentando refazer seus passos e evitar ser visto. Ele sabe que se o soldado notar, ele será comandado para levar o equipamento do soldado. Mas é muito tarde. O soldado chama a atenção do garoto e pede que ele se aproxime, e então carrega o rapaz com todo o seu equipamento. E a partir daí, porque o menino não tem escolha, porque é a lei, eles começam a longa caminhada pela cidade.

Agora, vamos fingir que esse menino em particular estava no meio da multidão quando Jesus disse: “Se alguém te forçar a ir uma milha. Vá duas milhas com eles. ”E enquanto ele viaja a primeira milha, esse menino continua pensando sobre o que Jesus disse e começa a se perguntar:“ Por que Jesus disse que eu deveria ir duas milhas? Por que eu deveria ajudar um romano? Por que eu deveria sair do meu caminho por alguém com quem nem me importo? “Por mais que ele não entenda as palavras de Jesus, ele também não pode se afastar delas. Eles ficam com ele: “Vá duas milhas …”

Antes que ele perceba, eles chegaram ao final da primeira milha. O soldado pára, desce do cavalo e chega a recolher suas coisas. Mas o menino fica parado, imaginando o que poderia acontecer se ele tentasse o que Jesus dizia. Ele limpa a garganta e faz uma proposta:

“Eu vou ser mais do que feliz em levar o seu equipamento por mais uma milha, se quiser.”

O que você acha que aconteceria a seguir? Imagino que algo mudaria fundamentalmente a partir do primeiro passo da segunda milha. Talvez o soldado romano, curioso sobre esse menino judeu que voluntariamente se ofereceu para ajudá-lo, começasse a envolver o menino na conversa. Talvez durante a segunda milha, o soldado romano e o menino judeu compartilhassem histórias, idéias, experiências. Talvez, apenas talvez, o jovem adolescente e o soldado romano começassem a se ver como pessoas reais.

Milha um cumpriu uma obrigação.

Milha dois mudou a natureza do relacionamento deles.

Aquele passo da Milha um através da linha até Milha dois muda tudo.

Quando você, como líder, pode levar alguém a dar um passo através dessa linha, você os introduziu em um tipo diferente de aventura. Contanto que eles permaneçam no lado da Milha um, eles nunca entenderão o que perderam. Eles estão perdendo uma festa e eles nem sabem disso. Eles se perguntam por que eles não estão mais motivados. Eles se perguntam por que eles não são mais apaixonados. Eles não têm ideia de que estão conectados a apenas um passo.

É por isso que o que você faz é tão importante. Você tem o potencial para levá-los ao longo da linha. Você pode agitar seus dons. Você pode incentivá-los a se mudar. Você pode organizar seu ministério para que a próxima geração possa experimentar a festa. Quando as pessoas experimentam como é viver no lado da festa, elas serão alteradas para sempre.

Jesus sabia que quando alguém saísse da Milha um, para a Milha dois, tudo mudaria.

É interessante para mim que eu me importo com coisas que não me preocupavam há um ano.

Jesus disse: “Onde está o seu tesouro, é aí que está o seu coração”. Em outras palavras, quando você investe em alguém, seu coração segue. Não confunda o pedido. Não espere até que seu coração mude para fazer um investimento. Invista em alguém para que seu coração mude.

Você quer mudar seu coração sobre alguém que você não gosta? Sirva-os quando você não precisar atendê-los.

Você se importa que você parou de cuidar e quer se importar de novo? Faça algo que você não precisa fazer.

Uma cidade pequena reavivou minha fé, minha paixão e minhas prioridades.

Eu não estou passando tempo com pessoas em Wrightsville, Geórgia, porque elas precisam de mim. Eles têm muitos grandes líderes. Eu estou aparecendo porque preciso fazer algo que não tenho que fazer. Eu realmente amo fazer o que tenho que fazer. Essa é minha missão. É o meu trabalho. E estou sempre ocupado fazendo isso. Mas fazer o que eu não tenho que fazer é me mudar de uma maneira que eu nunca imaginei.

Claro, você não precisa se esforçar. Ninguém vai te julgar se você não fizer isso. Você não é obrigado a dar nem mesmo o primeiro passo para uma segunda milha.

Você não precisa se tornar um pai adotivo.

Você não precisa liderar alunos do ensino médio.

Você não precisa parar para conversar com uma criança.

Você não precisa comprar a refeição de alguém.

Você não precisa perguntar ao garçom o nome dele.

Você não precisa ajudar sua escola local.

Você não precisa falar contra uma injustiça.

Você não precisa perdoar aquele amigo que ofendeu você.

Você não precisa viver com alguém diferente.

Você não precisa aparecer para alguém no hospital.

Você não precisa dar nada.

Você não precisa investir no sucesso de outra pessoa.

De fato, em muitos aspectos, a vida será mais fácil se você não o fizer.

Mas se você fizer isso, vai mudar você. Se você fizer isso, você sentirá algo mais profundo. Se você fizer isso, você vai tocar em algo sagrado que você nunca soube que existia. Se você fizer isso, você experimentará o amor de uma maneira nova e radical.

 

Este post foi adaptado e traduzido do http://orangeblogs.org/orangeleaders/2019/06/24/do-something-you-dont-have-to-do/

 

Alinhando sua equipe a uma estratégia integrada

“É a sua ESTRATÉGIA, não a sua MISSÃO que acabará determinando o seu sucesso.” –    Reggie Joiner

Sua igreja tem um líder estratégico. Essa pessoa está lá todo fim de semana, certificando-se de que as coisas correm como planejado.

Não é o pastor sênior.

Não é o pastor das crianças

Não é o pastor de jovens

Não é nem o líder de adoração

A pessoa estratégica na sua igreja é aquela no estacionamento que coloca os cones de trânsito. Essa pessoa entende como colocar estrategicamente esses pequenos cones laranjas  pode, em última análise, direcionar duas toneladas de aço na direção que devem seguir.

Como líderes, gastamos muito tempo na visão, missão e valores. Isso é uma coisa muito importante. Mas ter uma missão sólida não promete sucesso. Eu vi muitos líderes desenvolverem uma missão incrível, mas falharem no caminho. Eles falham porque não criaram uma estratégia que mostra como chegar onde querem estar.

Às vezes, com o ritmo da vida e do ministério, pode ser fácil perder de vista o objetivo final e focar apenas no “agora”. Podemos nos perder nos detalhes diários para onde eventualmente olhamos ao redor e perceber que não sabemos mais onde nos estamos indo.

No meu tempo como consultor e líder da igreja, uma das coisas mais comuns que tenho ajudado as igrejas a trabalhar é através da programação. Muitas igrejas na América hoje têm tantos programas que seria difícil entender realmente qual é a sua missão, olhando para o calendário de eventos.

Pense na sua igreja por um minuto. Posso dizer qual é a sua missão olhando para o calendário de eventos?

Se sua resposta for “não”, então você está no lugar certo. É hora de desenvolver uma estratégia integrada para avançar a  alinhar sua equipe, e manter o objetivo em mente. Aqui estão alguns pensamentos para ajudá-lo a criar uma estratégia integrada que garanta o seu sucesso na busca da missão.

1. Mantenha o fim em mente. Se vou fazer uma viagem, primeiro preciso saber para onde estou indo. Se eu não souber para onde estou indo, eu estaria gastando muito mais dinheiro do que queria e definitivamente perdendo a sanidade porque meus filhos no banco de trás querem saber quando chegaremos lá. Seria insano para alguém sair de férias e não saber para onde estão indo. Isso é verdade para nós como líderes. Qual é o seu objetivo final? Qual experiência definitiva você quer que as pessoas da sua igreja tenham? Qual é o jogo final para o envolvimento delas? Depois de ter determinado isso, NUNCA deixe que ele fique em segundo plano em suas conversas com sua equipe.

2. Pense em etapas, não em programas. Programas são programas. Quando você pensa neles como apenas programas, eles se tornam auto suficientes. Quando um programa acaba, acabou. Então o próximo programa começa e assim por diante. Quando você pensa em etapas, cada passo deve estar aproximando você do fim que sua equipe decidiu. Os passos mostram um caminho à frente e mantêm um registro de onde você veio.

3. Alinhe a equipe. Sua equipe DEVE estar na mesma página quando se trata do objetivo final e da estratégia para chegar lá. Se eles não são, você definitivamente encontrará problemas ao tentar seguir em frente. Às vezes, isso é onde decisões difíceis de liderança devem ser tomadas. Se você tiver membros da equipe que não se alinharão com a meta e a estratégia finais, talvez seja hora de aliviá-los de sua posição. Isso não importa se eles são funcionários ou voluntários. Nenhuma pessoa deve estar acima da unidade da equipe.

4. Entenda que cada parte da estratégia é tão importante quanto as outras. Adivinha? O ministério das crianças é tão importante quanto a mensagem do pastor sênior aos adultos no domingo de manhã. O ministério de jovens é tão importante quanto o programa do ministério infantil. O estacionamento esvaziando e reenchendo entre os cultos é tão importante quanto o culto. Quando sua equipe começa a pensar assim, evitando guerras territoriais, sua estratégia pode realmente fugir. Mesmo que as descrições de trabalho possam ser diferentes, é importante que a equipe entenda que nenhum passo da jornada é menos importante que o outro. Se um falhar, todos falharão.

5. Nunca pare de falar sobre a estratégia. Seja um recorde quebrado! Arranje tempo em suas reuniões regulares de equipe para avaliar seu objetivo final e rever as etapas. Eles estão trabalhando? Você precisa reavaliar e inovar? Há coisas acontecendo ao redor da igreja que estão tornando as águas turvas quando se trata de manter o objetivo final em primeiro plano?

Sempre mantenha o objetivo em mente, alinhe sua equipe e crie etapas que mostrem um caminho claro para o sucesso. É isso que cria uma estratégia integrada!

 

Publicado originalmente em inglês em http://orangeblogs.org/orangeleaders/2019/06/24/do-something-you-dont-have-to-do/

Escopo e Ciclo 2019 – 2020

A equipe criativa do 252 Kids e FIRST LOOK está empolgada em revelar nosso Escopo e Ciclo 2019-2020.

Para aqueles que não estão familiarizados com este documento, deixe-me explicá-lo.

A primeira página do escopo e do ciclo inclui o material básico por trás de cada lição do Currículo do Pense Laranja, incluindo os 9 Ensinamentos Principais que conectam todas as faixa etárias. Esses Ensinamentos são baseados no que Jesus diz no Seu Maior Mandamento: Amar a Deus, Amar os Outros, Amar a Vida.

A segunda página mostra como os temas do ano se conectam aos Ensinamentos Principais  que são apresentados ao longo de cada mês.

As páginas de três a seis incluem as Histórias da Bíblia, Versos para Memorização, Ideia Principal ou Perguntas-chave e o Aplicativo de Vida para cada mês no caso do 252KIDS. Cada tema também inclui uma descrição da série que explica como cada mês é uma reflexão ou uma resposta ao caráter de Deus como visto através de Jesus e das Escrituras.

No caso do 252KIDS a  página seis estabelece quais  App para a Vida serão cobertos a cada mês. É assim que as histórias da Bíblia se conectam ao mundo cotidiano das crianças.

A página final no caso do FIRST LOOK inclui a arte do tema com as  quais as crianças irão experimentar.

Esperamos que esses documentos sejam úteis à medida que você projeta a visão da sua igreja para o que suas famílias irão experimentar nos próximos dois semestres. Estamos felizes em saber como as crianças crescem em seu relacionamento com Jesus através do que aprendem.

CLIQUE AQUI para baixar o escopo e o ciclo  do First Look

CLIQUE AQUI para baixar o escopo e o ciclo  do 252KIDS

 

 

Voluntários, vocês são o tempero secreto para qualquer receita!

Escrito originalmente em inglês por Misty Phillips

Querido voluntário, Obrigada por estar na linha de frente do ministério a cada semana. Você desempenha um papel único moldando o futuro das crianças. Não existem cartões de agradecimento suficientes para dizer o quanto nós somos agradecidos pela sua vida. Semana após semana, você planta as verdades de Deus através de seu relacionamento com as crianças  e assim elas aprendem a colocar em prática os princípios Bíblicos.

Obrigada por gastar tempo se aculturando. Este seu trabalho voluntário, não é qualquer trabalho. Algumas coisas não são nada  fáceis, mas você sabe como superar cada uma elas.

Nós sabemos que em cada fase da vida de uma criança existe uma cultura diferente para lidarmos. Olhe para você… gastando tempo para aprender sobre o que acontece em cada idade e fase da vida da criança que  você serve.

Você se torna relacional se envolvendo com o que acontece no mundo das crianças e você entende que diversão é algo importante.

Quando você está ciente de cada fase em que as crianças que você serve se encontram, você apoia a visão da sua igreja. Quando você está ciente da fase das crianças, você cria um relacionamento com elas e elas começam a confiar em você. Você então, se encontra com elas, exatamente ali onde elas estão e assim você fala diretamente para a vida delas e as ajuda a colocarem em prática o que aprenderam e você tem a possibilidade de apresentá-las ao amor de Deus através da conversa e comunicação. Você as encaminha para uma fé de segunda a sábado, que elas podem se apoderar e vivenciar no dia a dia.

E voluntários, vocês nos surpreendem pela maneira com a qual vocês se aproximam dos pais e os trazem para perto e os conectam com o ministério. Você é uma outra voz na vida de uma criança e assim faz uma parceria com os pais. Você entra em contato  com as crianças durante a semana e pergunta como elas estão…

Por que? Porque você lembra o que é ser uma criança. Coisas, como fazer lição de casa e brincar no parquinho… Voluntário, você é o molho maravilhoso e especial que impacta as crianças  da sua igreja.

Muito obrigada!

 

O Que Torna a Estratégia Pense Laranja Única.

escrito por Abbey Carr

A cor Laranja representa muitas coisas únicas. É a cor do mamão, das tangerinas e das cenouras. São os nossos heróis e heroínas ‘laranjinhas’ que saem pelas ruas limpando nossas cidades. O mousse de maracujá e o suco de laranja são geralmente os nossos preferidos.

Tudo isso para dizer que, a cor Laranja, em todas as suas várias formas é conhecida por ser tanto especial como também única. Não há exceção quanto a isso quando se trata dos recursos do ‘Estágios de Vida’ do currículo Pense Laranja, ‘Suporte de Parceiros’ e ‘Eventos’. Todos os componentes estratégicos do currículo Pense Laranja merecem ser explorados, mas vamos nos concentrar nestes três como foco deste artigo. Tá bom assim?

Estágios de Vida

Como um líder de ministério infantil, uma das coisas que primeiro me atraiu para o Pense Laranja foi o fato de que a estratégia do currículo Pense Laranja oferece uma visão maravilhosa e um plano consistente para as crianças de seu ministério desde o nascimento delas até os *18 anos de idade. Você não somente irá compartilhar a visão geral de parceria com os pais e criar uma “cultura voluntária” consistente com a equipe de seu ministério e as famílias da igreja, mas também o Pense Laranja irá prover um escopo e ciclo para cada currículo de faixas etárias, então você poderá mapear e ver onde você está indo e como você vai chegar lá através do currículo de todas as faixas etárias e estágios.

Como você pode perceber, com o Pense Laranja, nada é feito por acaso. Tudo é filtrado através da lente do desenvolvimento infantil, certificando-se de que o conteúdo é relevante e aplicável ao público que você está lidando. Por isso, as crianças são capazes de compreender facilmente os conceitos bíblicos e aplicá-los em seu dia-a-dia. É realmente muito surpreendente. Não somente isso, mas as crianças e seus voluntários AMARÃO os recursos e terão muita DIVERSÃO de semana a semana. Então, você pode estar pensando: Isso parece ótimo e tudo mais, mas e se houver doutrinas específicas da igreja que precisam ser cobertas? Sem problemas! Todos os nossos currículos são completamente editáveis ​​para se adequarem ao seu contexto específico. Dá pra acreditar? Os recursos do ‘Estágios de Vida’  do Pense Laranja é o que há. Pode acreditar!

Se você quiser saber mais sobre os currículo, confira nossa amostra gratuita no site: http://penselaranja.com.br/

Suporte de Parceiros

Vamos ser honestos, liderar um ministério infantil pode ser bastante solitário às vezes. É por isso que o Pense Laranja é tão grande em comunidade. Sabemos que você poderá ter idéias, pensamentos ou divagações que gostaria de compartilhar com um líder que tem a mesma mentalidade, ou talvez você só tenha dúvidas sobre as melhores práticas de como usar o currículo e os recursos do Pense Laranja. Procure no nosso time de Especialistas Pense Laranja. Toda igreja inscrita que obtém uma licença do uso do currículo poderá ter contato com um especialista do Pense Laranja para ajudá-los a caminhar através de tudo relacionado a ele.

Quer saber mais sobre o que um especialista do Pense Laranja faz e quem é seu especialista do Pense Laranja? Confira quem são eles no nosso site http://blog.penselaranja.com.br/ e obtenha mais detalhes. Se você é um assinante do currículo e gostaria de se juntar à nossa comunidade, vá no Facebook “Parceiros do 252 Basics” e “Parceiros do First Look”  para se conectar com outros líderes.

Eventos

Todo mundo lembra do primeiro grande show que vocês foram. O meu foi do Aerosmith. Por favor, me não julgue. De qualquer forma, todos podemos concordar que ir a eventos divertidos e bem executados pode nos inspirar como nunca antes. Há algo de especial em estar em um espaço com um grupo de pessoas focadas na mesma missão, movendo-se na mesma direção que energiza todos nós. É isso que torna todos os eventos do Pense Laranja tão únicos e especiais.

Se você nunca esteve em um evento do Pense Laranja no Brasil ou na Conferência anual do Orange nos Estados Unidos, mova isso para o topo da sua lista de afazeres. Os eventos do Pense Laranja são projetados para não apenas treiná-lo e equipá-lo para mais um ano de ministério incrível, mas também para inspirar, motivar, encorajar e conectá-lo com um grupo de pessoas que se preocupam com a próxima geração tanto quanto você. Ah, e também queremos garantir que você se esbalde enquanto estiver lá. Quer verificar detalhes sobre a Encontro do Pense Laranja em setembro? Faça a si mesmo um favor e entre em contato conosco através da página Pense Laranja @penselaranjaoficial no Facebook e receba informações.