Ajudando Voluntários a Passar pela Mudança

Era hora de mudar, era hora de alterar o serviço de sábado às 16h00 para as 17h00. Passamos meses pesquisando os melhores horários de atendimento, pedindo informações às famílias e discutindo a mudança com as partes interessadas. (Eu não sabia que os horários de serviço tinham partes interessadas.) Quando chegou o dia da mudança, no entanto, choro e reclamações foram ouvidos por quilômetros de distância. Por mais de um ano, cartas anônimas foram colocadas no local de oferta, implorando, ameaçando, exigindo o retorno do serviço de sábado às 4 da tarde. Como poderia um simples turno de 60 minutos causar tanto alvoroço?

Se você está na liderança há muito tempo, tenho certeza de que tem suas próprias cicatrizes de uma mudança que você liderou. Talvez você tenha alterado uma política, pintado uma parede ou retirado um programa. Por que a mudança causa tamanha angústia? Ou as pessoas são más ou a mudança é difícil. Embora certamente existam pessoas más, acho que a razão subjacente para a resistência é que passar por uma mudança é difícil.

Portanto, a escolha é evitar mudanças sempre que possível ou aprender formas eficientes de conduzi-las. Embora uma mudança sempre cause angústia para algumas pessoas, acho que há passos que podemos seguir para, efetivamente, conduzi-la de maneira saudável, com o mínimo de revolta possível.

Passo Um: Identifique a cultura 

É importante entender como a cultura de sua igreja responde às mudanças em geral. Algumas culturas gostam de mudar. Se eles não tiverem uma grande mudança em algumas semanas, eles começam a procurar algo para alterar.

Do outro lado do espectro está a cultura avessa à mudança, onde a tradição é importante, o “novo” é suspeito e o status quo é reverenciado.

Aqui está um teste simples para saber se sua cultura gosta ou é avessa à mudança. O que seria necessário para mudar a cor de uma parede no berçário?

Avessa à mudança: uma reunião de comissão, um voto congregacional e um milagre.

Gosta de mudar: um balde e um pincel.

Passo Dois: Entenda os líderes 

Para liderar uma mudança de forma eficaz, é essencial entender como outros líderes processam as mudanças. Os extremos opostos do espectro são representados por dois homens pelos quais tenho muito respeito: Harold e Rick.

Harold é meu sogro e é avesso às mudanças. Ele tinha um buraco na parte de trás de várias calças, porque sua cadeira no trabalho tinha uma mola solta e ele escolheu continuar sentando nela, mesmo com a mola, ao invés de trocar de cadeira. Rick é um pastor com o qual trabalhei uma vez, e é um visionário incrível que ama a mudança. Seu lema é: “se Deus me der uma visão hoje, por que eu esperaria até amanhã para agir?”.

Quando você está trabalhando com uma equipe, é importante identificar os “Harolds” e os “Ricks” em seu time. Com os Harolds, você precisa dispender muito tempo explicando a mudança, enquanto os Ricks estão mais interessados ​​no resultado potencial.

Passo Três: Convoque a equipe 

Um dos princípios que me norteiam é algo que aprendi em um curso de administração na Dale Carnegie, há alguns anos: “As pessoas apoiarão um mundo que ajudaram a criar”. Poucas pessoas gostam de mudanças que são impostas, mas a maioria apoiará as mudanças que elas ajudaram a construir.

Passo Quatro: Espalhe a notícia 

Todo mundo gosta de estar no caminho certo, por isso é importante “espalhar” a mudança iminente para as pessoas mais afetadas antes de fazer um grande anúncio. Muitas vezes, a resistência à mudança é, na verdade, aversão à surpresa. O tempo gasto conversando pessoalmente com cada um para compartilhar a razão por trás da mudança e expor a visão para o futuro valerá a pena no longo prazo.

Passo Cinco: Lance a visão 

Quando é hora de compartilhar a mudança com o grande grupo, comece sempre com o “por que” por trás dessa mudança.

  • Por que não podemos continuar fazendo isso da maneira que sempre fizemos.
  • Embora o status quo seja confortável, por que não podemos ficar onde estamos.
  • Por que a mudança, mesmo sendo desafiadora, valerá a pena no final.

É fácil ignorar o “Por que” e ir direto para “O Que”, mas as pessoas precisam entender o ímpeto por trás da mudança para entrarem na nova realidade.

Passo Seis: Permaneça nesse caminho 

Muitas vezes, o impacto imediato das mudanças significativas é de piorar as coisas. A taxa de comparecimento cai, o engajamento também e as reclamações disparam. A reação natural é correr e voltar atrás, para a segurança da forma como costumávamos fazer as coisas, mas isso é um erro. Assim como Moisés se recusou a voltar ao Egito, como líderes, temos que resistir ao clamor e dar uma chance à mudança.

Embora administrar mudanças seja um desafio, é também um fator essencial. Auxiliar as pessoas a navegarem pela mudança de maneira saudável ajuda-as a crescer como indivíduos, fortalece a organização e aumenta nossa própria eficiência como líderes.

Este post foi originalmente escrito em inglês por Geoff Surratt | 9  de maio de 2018 e traduzido e adaptado para o português por Equipe Pense Laranja.

Recrutando Voluntários para o Grande Grupo

Você se lembra de quando você era apenas uma criança e um líder se levantava para ensinar na igreja? Eles eram tão monótonos. Eles seguravam uma pasta e liam a história bíblica para o grupo com pouquíssima paixão e entusiasmo. Talvez eles paravam entre cada frase, o que parecia levar em torno de 10 minutos.

Espere.

Espere um segundo (som de disco riscado).

Não, você não se lembra dessa época por causa da maneira que ensinavam.  Na verdade, é um milagre que você ainda esteja na igreja. Deus certamente é bondoso!

Aqui está uma coisa importante: se quisermos que as crianças se lembrem das histórias bíblicas e das verdades da Palavra de Deus, é importante que não as apresentemos de maneira que façam elas cair no sono. A apresentação deve ter energia e paixão, fazendo com que as crianças se engajem, ficando envolvidas do início ao fim.

Você pode estar dizendo: “Eu quero isso, mas como encontro as pessoas certas?” Quando você está recrutando, muitas vezes só tentamos olhar em volta da igreja para encontrar as pessoas que não estão servindo em nenhum lugar. Nós quase nunca iniciamos uma conversa com uma pessoa que não conhecemos pedindo para ela servir. No entanto, quando se trata de recrutar alguém para estar no palco na frente de um Grande Grupo, realmente não deveria ser tão difícil. Em vez de procurar as pessoas que só não estão servindo, procure as pessoas que exalam os traços que você deseja. Essas pessoas geralmente se destacam. Elas são extrovertidas, amigáveis, às vezes barulhentas, tipicamente riem muito e, naturalmente, têm energia e paixão em tudo o que elas fazem. Procure pessoas que mostrem esse presente dado por Deus em vez de alguém para preencher uma necessidade.

Observe a diferença:

“Ei José, eu estava pensando se poderíamos conversar sobre você liderar o Grande Grupo”.

Ou

“Ei, José, notei algo sobre você. Você sempre é tão positivo, divertido e é ótimo quando você está por perto. Você parece apaixonado e tem tanta energia. Você já pensou em permitir que Deus usasse esses pontos fortes no palco? Acredito que você seria um Superstar na frente das crianças. “

Quando você se aproxima de alguém, comece a apontar os pontos fortes dele, e como você pode ver Deus usando esses pontos no ministério.

Faça uma lista dos dons e pontos fortes que você precisa para o cargo. Quando você começar a procurar os dons, ao invés de preencher buracos, você começará a ter mais sucesso encontrando as pessoas certas para o lugar certo.

Este artigo foi traduzido originalmente da pagina  http://orangeblogs.org/252basics/large-group-recruiting/em (inglês) por Eder Bizutti e revisado por Sergia Kelling (dia 8/março/2018)

 

Estratégia, não um currículo!

No 252 Basics, nós acreditamos que ministério é mais do que um currículo. Por isto que tudo o que fazemos se encaixa na visão geral da estratégia Laranja. No livro PENSE LARANJA do Reggie Joiner , ele explica porque a estratégia é tão importante.

Um currículo provê informação, mas a estratégia ensina com um final em mente. Existem conceitos chaves  que uma criança precisa aprender em cada idade, desde o nascimento até os 18 anos de vida – conceitos específicos em cada fase de vida. Princípios e experiências que proporcionaram a ela um crescimento real no relacionamento com Jesus Cristo. Quando temos uma estratégia geral, um plano mestre existente, o resultado final sempre trará a criança a nossa mente.

O currículo equipa líderes, mas a estratégia os desenvolve.
A estratégia ajuda os líderes a focar naquilo que é correto – desenvolver voluntários em líderes, conectar com o lar, conectar crianças pequenas e estudantes. Esta mudança de  FOCO nos permite concentrar nosso tempo e energia para o crescimento das pessoas de nosso  ministério e nos  ajuda a crescer como líderes.

Um currículo facilita as reuniões, mas a estratégia prioriza comunidade.
O papel do pequeno grupo é elevado quando você tem uma estratégia específica para cada idade. Cada criança ou adolescente precisa ter um líder adulto em sua vida, no qual ele pode confiar e que também comunica as mesmas coisas que seus pais estão comunicando. Nós acreditamos que o pequeno grupo é o primeiro lugar onde a verdade é processada, porque é ali que  adultos e crianças desenvolvem um relacionamento. É o lugar onde eles se sentem seguros para fazer perguntas e assim internalizar a verdade.

Um currículo substitui os pais, mas uma estratégia conecta com eles.
A estratégia busca criar um alinhamento entre a igreja e o lar. Mesmo tentando maximizar o impacto que temos nesta geração, o tempo que a criança ou estudante passa no lar tem um impacto enorme no seu desenvolvimento espiritual, não somente nas horas que ele passa lá , mas por causa do relacionamento entre os  pais e a criança.  Por isso que é tão importante sermos  estratégicos na maneira de conectar com os pais e em como aumentar o relacionamento pais-crianças.

Um currículo provê informação, mas uma estratégia mobiliza estudantes a experimentar o que eles estão aprendendo.


Nós acreditamos que o ensino vai  além de um formato  de uma exposição básica da lição, e sim de uma maneira pela qual  as crianças e os jovens irão experimentar a verdade fundamental.

 


Na nossa perspectiva, este é um componente chave para que a fé comece a fazer parte do DNA de nossas crianças e estudantes. Nós acreditamos que eles devem ser ativos no ministério, recebendo assim, a chance de se tornarem parte da igreja local agora. Não devemos  esperar até que “um dia”, eles finalmente vão ter o desejo de servir sem ter nunca terem tido a oportunidade de experimentar o que significa servir no corpo de Cristo… Uma parte fundamental do crescimento espiritual é o serviço.